A vaticanista Aura Miguel comentou ao TVI24 as surpreendentes declarações de Bento XVI no avião, antes de chegar a Lisboa, esta terça-feira. Recorde-se que o Papa admitiu uma ligação entre o terceiro segredo de Fátima e os escândalos de pedofilia que abalam a Igreja.

«Uma das perguntas que lhe foi colocada dizia respeito à mensagem de Fátima, ao facto de na terceira parte do segredo e no segredo em geral se falar do sofrimento do Papa e da Igreja. A pergunta foi formulada no sentido se o Papa achava que o terceiro segredo estava encerrado com João Paulo II ou se sofrimento que ele próprio está a viver, relacionado com as questões da pedofilia, se não seria outra forma de martírio», contou.

Aura Miguel, que viajava no avião com a comitiva papal, explicou que Bento XVI disse que, «no essencial», a terceira parte do segredo tinha a ver com João Paulo II, «com o atentado concretamente».

«Mas também estava relacionado com um aspecto da actualidade. Um dos aspectos de leitura possível da actualidade diz respeito aos ataques à Igreja e ao Papa. Ele disse mesmo que os ataques partem de dentro da Igreja, os inimigos que atacam a Igreja vêm de dentro e tem a ver com um pecado aterrador que existe dentro da Igreja», acrescentou.

Por isso, para o Papa, «a mensagem de Fátima continua actual», «tendo em conta este panorama aterrador do pecado da Igreja». «É preciso haver purificação, conversão, penitência, aplicação de justiça e o essencial da mensagem de Fátima tem precisamente a ver com isso», explicou.

Para a vaticanista, estas declarações foram «muito fortes» e «surpreendentes». «Se calhar o Papa já podia regressar a Roma, porque já disse o suficiente para ser aprofundado», concluiu.

Anúncios