ÂNGELA DE FOLIGNO

Terceira Franciscana, viúva, morreu em 1309.

“Quando mais te parece estar abandonada, é quando eu te amo mais, e que mais próximo de ti estou”.

“Vi uma coisa verdadeira cheia de majestade, imensa.

Não sei dizer palavra. Mas com certeza, devia ser o Bem Supremo”.

“Vi a Ele mesmo, uma plenitude, um esplendor, como está no céu. De tanta beleza não sei dizer palavras.

Era a suma Beleza que contém o Sumo Bem”.

“Filha, minha amada, quero fazer-te conhecer minha onipotência. Abriram-se os olhos da minha alma e vi uma plenitude divina na qual eu divisava o universo aquém dos mares e o oceano e o abismo, e todas as coisas criadas.

E em tudo, outra coisa eu não via senão a potência de Deus”. E a minha alma cheia de espanto, exclamou: “Mas como este mundo está cheio de Deus!” E o mundo parecia-me uma coisica de nada. “O poder de Deus enchia tudo, transbordando por toda a parte”.

“Tendo conhecido o poder, a vontade e a justiça de Deus, fui elevada mais alto. Então não vi nem potência nem vontade, mas uma coisa só, unida e sólida, como também inefável. Só posso dizer que era o Bem Absoluto.

E igualmente inefável era a alegria da alma”.

Sentia-me vazia de todo bem e recomendava-me ao Senhor. E eis que vi o amor que vinha ao meu encontro,uma coisa da qual via o começo, mas não o fim… De súbito,sentia-me cheia de amor, numa saciedade indizível… e com tanta fome… Não queria nem ver, nem ouvir, nem sentir criatura alguma. E este amor, creio firmemente, nunca mais me faltará. Eu via duas partes. Era como uma divisória que me percorria de cima abaixo. De uma parte via o que era de Deus: o Amor e o Sumo Bem. Da outra, aquilo que é meu: aridez e vazio. E que vazio! Assim cheguei a conhecer não ser eu quem amava quando estou no amor, mas que tudo vinha de Deus. Tudo quanto é menos do que este amor, me é pesado. Vi coisas maravilhosas em Deus, tão incomparáveis que me faz parecer inadequado o que se diz, no Evangelho, da vida de Cristo ou alguma de suas palavras. Quando me desprendo deste amor, sinto-me numa alegria imensa e como que angelizada, a ponto de sentir-me disposta a querer bem até aos animais mais abjetos e nojentos, e até aos demônios. Em tal estado, se um cão me devorasse a mordidas, aos pedaços,não me importaria; creio que não me sentiria mal.

Nem a lembrança da Paixão de Cristo me faria algum efeito:não seria capaz de uma lágrima.

“Estando em oração, uma voz suave começa a dizer:

Filha minha, meiga para mim, muito mais que sou para ti… Templo meu predileto. O coração do Deus onipotente está sobre teu coração. Deus onipotente pôs seu amor em ti. Seus olhos estão sobre ti… Não obstante me voltarem à mente todos os meus pecados, e eu não achar em mim bem algum, e parecia-me nunca ter feito algo que pudesse agradar a Deus, falei: “Tu estás em mim, criatura tão indigna”… E foi-me respondido: Tu verás como o mundo inteiro está cheio de mim. E então eu via que toda criatura está cheia dele. E Ele continuou falando: Eu posso fazer tudo: que tu me vejas conversando com os apóstolos ou que tu não me sintas de modo algum… Levantei a voz e disse: É fora de dúvida que Tu és o Deus todo poderoso, e que são verdadeiras as coisas que me dizes.

Mas dá-me um sinal. Respondeu: darei um sinal”.

“É este o sinal: tu irás arder sempre de amor, do amor de Deus. E terás sempre na alma a luz do conhecimento d’Ele. Eis o sinal que imprimo em tua alma, sinal bem melhor que qualquer outro, e que ninguém pode falsificar.

Só este meu amor basta para embriagar-te e darte sede contínua de mim. Ele dar-te-á paciência nas tribulações a tal ponto que, se alguém te disse injúrias ou te causar mal, tu irás considerar como uma graça especial da qual te julgas indigna. Foi assim o amor que eu tive por ti. Foi tão grande que me fez sofrer tudo com paciência e humildade. Ora, pois, conhecerás que eu estou em ti. Pois quando alguém te disser ou te fizer injúrias, tu terás não somente paciência, mas sentirás vivo desejo delas, considerando-as como uma graça. Eis o sinal certo da graça de Deus”.

“E a voz de Deus fez-se ouvir de novo: faze escrever tudo o que ouviste e sentiste. E no fim da narração faze acrescentar: Graças sejam dadas a Deus. E se alguém quer conservar a graça, não tire mais os olhos da cruz, seja na alegria, seja na dor”. Se alguém desejar sentir-me em seu coração, não me farei de rogado. Se alguém anseia por ver-me, com alegria, de bom grado dar-lhe-ei uma visão de mim. Se alguém aspira falar-me, com júbilo,com prazer virei palestrar com ele”.

“Afirmo que tudo quanto os homens e as Escrituras sagradas têm dito desde o começo do mundo, não chega ao cerne da bondade divina. É como um grão de milho em comparação com o universo”.

“E para obter este conhecimento de Deus, o bem, a luz, o amor supremo, não há outro meio mais garantido nem mais eficaz que a oração contínua, humilde, violenta, oração não só de lábios, mas da mente, do coração, de todas as potências da alma, e de todos o sentidos do corpo, acompanhada de intenso desejo”.

“A alma vê que apenas Deus é alguma coisa e que todas as coisas são nada”.

Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

Anúncios