“O MISTÉRIO”

 

O mistério do amor de Deus por nós… Por que Deus nos ama? Mistério!

Do nosso lado: não somos nada. Somos pecadores.

Somos egoístas eternamente, mesquinhos, incorrigíveis

Da parte de Deus: sua justiça é toda contra nós. A santidade de Deus: idem. A beleza de Deus não lucra nada conosco. A sabedoria tão pouco. A misericórdia, que se compraz em tolerar e perdoar, não explica a nossa criação e santificação primordial (elevação à ordem da graça santificante) anteriores ao pecado.

Daí, só resta aquele amor transbordante, explosivo que “criou” as três Pessoas divinas. E que, ainda não contente, se extravasou por fora da divindade, para as criaturas.

Deus nos ama, não por aquilo que somos, mas por causa “do que ele é”. Deus é bondade essencial que se expande, se dá e transborda.

Todos os motivos do amor de Deus estão do lado dele. Do nosso lado, nenhum. Curioso é que tratamos a Deus como se entre ele e nós existisse um contrato de igual para igual, e sentimo-nos obrigados a cumprir nossos compromissos sob a condição que ele cumpra primeiro com os seus. Quando, na realidade, o dever fica completamente de um lado, enquanto do outro lado tudo é liberalidade.

O nosso modo de servir a Deus é quase um insulto.

O homem é a negação de tudo quanto possa valer algo perante Deus. É próprio dele a mesquinhez e a covardia.

Até a misericórdia divina devia largar-nos; se não o faz, é só porque é infinita, porque o amor não se cansa.

Por que Deus nos ama? Porque nos criou. E por que nos criou? Círculo sem saída. Por amor estamos presos neste círculo. Bela prisão. Oxalá fiquemos sempre cativos desse amor, cá na terra como depois lá no céu.

 
Amor forte

 
Deus nos criou para O amarmos. Isso não lhe traz vantagem alguma; não aumenta nem sua glória, nem sua felicidade.

Deus deseja ser amado por nós. Por quê? Falta-lhe alguma coisa? Em absoluto. Impossível Deus precisar de suas criaturas. E quando deseja o nosso amor, não é só uma veleidade, um “gostaria”. Oh! não. É um ímpeto divino que quer abraçar o mundo das suas criaturas, e apertá-lo ao seu coração.

Se Deus nos dá leis, origina-se isso do seu imenso desejo de poder ser amado por nós, na eternidade. Se Deus mandou seu Filho para nos resgatar a qualquer preço, é porque não se conforma com a perda do amor dos homens. Seu desejo é tão vivo que parece esquecer-se que é Deus – com perdão da palavra, mas a impressão é essa. Parece esquecer sua majestade a fim de conseguir nosso amor. Sua felicidade em perdoar não é contradição flagrante com sua justiça e santidade infinitas?

Entenda porque exigiu de Cristo tão horrendos sacrifícios. Entenda porque as crianças batizadas entram no céu sem mais. Ou porque o operário da undécima hora passa por igual com os demais Dá a impressão que Deus põe justiça, santidade e dignidade de lado, a fim de ter o maior número possível de convidados no banquete de amor no céu. Profundezas de Deus.

Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

Anúncios