Êxtase

 

 

Mais cedo ou mais tarde todos os santos sucumbem a essa doença do amor de Deus. Como Sta. Teresinha que morreu num êxtase de amor, exclamando: “Ó Deus, eu te amo!” Bela entrada na glória.

Por que amar a Deus? Porque é o bem supremo, o bem absoluto. Deus é a saudade do purgatório. Por uma visão momentânea, logo após a morte Deus se revela a todos os homens. Quando o pecador mergulha no tormento, seu primeiro grito não é de dor. Seu primeiro grito é de saudade de Deus.

Os êxtases dos santos são reflexos, revérberos da beleza imensa de Deus. O fogo do amor divino chega a queimar a roupa do corpo.

Sta.Catarina de Sena brincava com o fogo na cozinha, como um prestidigitador no circo. Dizia ela: “É frio, em comparação com o calor de dentro”.

 São Pedro de Alcântara pulou dentro de um tanque gelado e fê-lo ferver.

São Wenceslau, em suas visitas noturnas à igreja, deixava na neve pegadas quentes para seu friorento servo.

São Francisco de Paula acendeu a lamparina do sacrário com o dedo. Almas de fogo. Deus é amor.

 

Coração

 

Nosso pequeno coração humano tem uma força extraordinária.

Pulsa cem mil vezes em vinte e quatro horas.

Quatrocentas vezes por hora, conta-se, impulsionando a massa sanguínea de doze a quinze quilos através do corpo.

Que potência, que força! E há mais: qual potente imã magnético, atrai o coração de Deus. Quem lhe resiste?

Como bem expressou a Imitação de Cristo (III, 5,5) de um modo original: “O afeto ardente da alma, seu amor, é um grito forte aos ouvidos de Deus”.

“Subam nossos afetos de amor, quais estrelinhas no céu noturno, perante o trono de Deus”, escreve F. W. Faber; “um único ato de amor a Deus é uma obra perfeita.

Todas as demais coisas, em comparação, são bolhas de sabão; talvez, brilhantes como o arco-íris, mas tão fugazes!

Um ato de amor é uma obra perfeita, e atua mais que qualquer outra ação. E um ato de amor, rápido como um raio, pode ser feito num instante, numa elevação momentânea de nossa mente e sobe aos céus.”

Ó profundidade das riquezas de Deus! Nossa alma respira. Cada pensamento, um ato de amor a Deus. Cada palavra, um ato de amor. Cada gesto um ato de amor, nos mil afazeres do dia. Nossas mil distrações, mil atos de amor. Deus é amor.

Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

Anúncios