Inquietos
 
 

 

Narra, Eva Lavallière: “Em meio aos meus maiores sucessos, eu retornava do palco com uma tristeza indizível.

Às vezes, chorava. Um voz perseguia-me: “Eva, tu não foste feita para isso. Às vezes, desesperei-me a ponto de querer suicidar-me”. Inquietude feliz.

São Vicente de Paulo a lastimar-se: “Mas eu não fiz nada, ainda.” “Mas o que é preciso fazer?” “Mais”.

“O santo é alguém a quem Deus não dá sossego” (Paul Claudel)

A única medida de amar a Deus é amá-lo sem medida (São Bernardo)

Os Santos nunca cessaram de amar a Deus. Pois tudo em Deus é sem fim. Principalmente, o seu amor.

 Como aprender a amar

 Amando, responde o provérbio.Ao bom irmão coadjutor, Afonso Rodrigues, santo porteiro do colégio jesuíta de Maiorca, certo dia perguntaram de que sofria. Respondeu: “De amor próprio”. Ora, tinha ele oitenta e sete anos, e era um santo de Deus.

Outro santo, Francisco de Sales, que não era porteiro mas bispo e doutor da Igreja, adverte-nos que o amor próprio é tão vivo em nós, que morre só um quarto de hora após a nossa morte.

Aí o ponto nevrálgico da questão: esse amor próprio, fonte universal e fecundíssima de nossos defeitos e pecados.

O amor de Deus é também mais difícil do que o amor humano, cuja face se vê, cuja voz se ouve, e que em geral admite e tolera um tanto de amor próprio. Enquanto que a Deus temos de amar “sem tê-lo visto face a face” (1Pd 1,8).

O amor humano em suas múltiplas manifestações, é um vislumbre da realidade divina, que nos faz adivinhar o amor infinito de Deus. Cá na terra, temos de caminhar sob a orientação da fé. Nem assim adianta muito, nem multiplicando o amor humano por quantos algarismos quisermos.

O amor humano, no grau mais elevado da paixão, não passa da luz de um lampião de querosene comparado com a luz do sol.

Devemos amar a Deus com um amor que possa agradá-lo. Temos de amar a Deus com o amor dele: com o amor com que ele mesmo se ama. Só podemos amá-lo com o coração dele. Urge pois, pedir ao Espírito Santo que se derrame em nossos corações (Rm 5,5). Dos dons que descem do céu sobre a terra é o mais excelente.

 
Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR
 

 

 

Anúncios