Certa vez, chegou atrasada à missa, sem culpa sua e ficou triste. Jesus lhe diz: “Julgas que não tenho valor suficiente para pagar todas as tuas dívidas… para suprir todas as tuas omissões?”

Maria Santíssima a instrui: “Oferece o meu Coração por todas as negligências, e tuas faltas serão amplamente reparadas”.

Recebe a graça da transverberação do coração, como mais tarde Sta. Teresa d’Ávila e outros. Jesus: “Dou-te meus olhos para que vejas tudo por eles. Dou-te meus ouvidos, a fim de que, compreendas tudo o que ouves. Dou-te a minha boca para que faças passar por ela todas as tuas palavras, tuas orações, teus cantos. Dou-te o meu coração, a fim de que, por meio dele, penses; por ele me ames e todas as coisas por mim”.

“A esta última palavra, Jesus atraiu-a a si e uniu-a consigo, a tal ponto que a alma parecia ver com os olhos de Deus; ouvir com os seus ouvidos; falar por sua boca e não ter mais outro coração, senão o coração de Jesus”.

“Doce e amoroso Senhor, como gostas de me ver ocupada?”

Jesus: “No louvor de Deus. … Para reparar tuas negligências e recuperar o tempo perdido, saúda o meu coração.

Aí há superabundância de graças e de bondade”.

Viu o coração de Jesus como um labareda chamejante.

Jesus: “Queria que os corações de todos os homens fossem assim inflamados”.

Jesus: “Quando derramo sobre ti minha graça, deixa tudo, suspende teu trabalho e entrega-te em plenitude à graça. Nesse momento não podes fazer coisa melhor ou mais vantajosa”.

Jesus: “Tu deves suportar toda pena corporal ou espiritual, não por ti, mas por mim, como seu eu padecesse em ti. Não sejas mais do que um vestido, com o qual eu me revista, e sob o qual eu possa coordenar e executar as tuas ações”.

 

Rezando Matilde por uma pessoa aflita, Jesus responde:

“Por que essa pessoa não quer aceitar o que eu desejo lhe dar? Minha santa e inocente vida na terra, eu lha ofereço todinha e de boa mente. Ela que a tome para suprir tudo o que lhe falta…”

Matilde: “Se tu, Jesus, gostas tanto que a gente se apodere do que é teu, dize-me por favor, ó Deus bondoso, dize-me como fazê-lo?”

Jesus: “A alma ofereça ao meu Pai, todos os desejos e orações. Toda oração penetra o céu, mas não tem o mesmo valor se não está unida à minha. O mesmo vale para as ações”. Matilde: “Apoderemo-nos da santa vida de Cristo, a fim de suprir o que nos falta”…

Jesus: “Oferece-me cada manhã teu coração a fim de que nele derrame o divino amor”. Matilde: “Mestre, o que fazes tu, quando rezo ou recito Salmos?” “Fico escutando.

Quando cantas, ajusto minha voz à tua. Quando trabalhas, descanso. Quando te alimentas, eu trabalho, porque eu me alimento de ti e tu de mim. Quando dormes, vigio e te guardo”.

Jesus: “Na Santa Missa ofereço-me com todo o amor de meu coração para suprir tudo quanto falta aos homens”.

Jesus: “A face de tua alma é imagem da Santíssima Trindade. Tua alma deve contemplá-la sem cessar. Ocupando a mente com pensamentos terrestres e inúteis, a imagem fica manchada”.

Jesus: “Se o homem compreendesse o quanto pode merecer num só dia, mal esteja acordado, seu coração se dilataria de alegria ao ver luzir mais uma jornada a ser vivida para Deus e sua glória”.

Matilde, caíra em profunda tristeza, julgando-se inútil.

Após tantas graças recebidas, não amava quanto devia. Jesus: “Oh, minha bem-amada, nada de tristezas! Pois tudo o que é meu é teu.” Matilde: “Se é realmente assim, então teu amor é meu, e eu te ofereço este amor para que supras o que me falta”.

Jesus: “Está certo assim. Quando me queres louvar ou amar, e não consegues satisfazer teu desejo, então dize: Eu te louvo bom Jesus; tudo que me falta, queiras completar, por favor. Quando desejas amar-me, dize: Eu te amo, bom Jesus e tudo que me falta queiras suprir, oferecendo ao Pai por mim, o amor de teu coração… E dirás à pessoa pela qual estás rezando, que ela faça também assim. E se ela voltar mil vezes por dia, mil vezes me oferecerei por ela ao Pai. Não sou capaz de sentir lassidão ou aborrecimento”.

Num dia de festa, a monja-cantora cai doente. Matilde lamenta não poder servir a Jesus na liturgia. Jesus: “Desde quando estou proibido de entreter-me alegremente com minha bem-amada? Quando uma pessoa está doente, eu me revisto de sua alma como de um manto de glória e apresento-me ao meu Pai, dando graças e louvores por todos esses sofrimentos’.

Jesus: “Se alguém deseja que eu me revista de sua alma, deve suspirar por mim, desde a madrugada, e com ardor. Seus desejos fazem-no tornar-se meu vestido. A alma que vive de mim, age por mim”.

Jesus: “Minhas chagas curam todas as fraquezas da alma. Há tantos corações tímidos que não ousam confiarse à minha ternura”.

Gertrudes, a abadessa falecida, recomenda após sua morte: “Que não se prefira nada ao amor de Deus”.

Maria Santíssima recomenda: “Faze tudo pela glória de Deus e pela salvação do mundo”.

Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR