Fonte das Virtudes

 

A oração é a terra fértil que faz crescer todas as virtudes.

“Quem sabe rezar bem, também sabe viver bem” (Sto. Agostinho)

Diz Jesus a Sta. Catarina de Sena: “Saibas que pela prece assídua e perseverante, a alma alcança a perfeição e toda a virtude”. “A oração é uma mãe, que concebe e alimenta na alma todas as virtudes. Sem ela, todas se enfraquecem e são de vida curta”.

Ângela de Folinho: “Luz e graça divinas são princípio, meio e fim de toda a perfeição. Se quer obter luz, reze. Se quer crescer na graça, reze. Se quase chegou ao ápice da perfeição e deseja mais luzes, reze. E reze lendo atentamente o livro da vida, o Homem-Deus crucificado. Quanto mais dedicar-se à oração, mais luzes receberás”.

Sta. Teresa d’Ávila, especialista e perita na oração afirma: “A oração é a porta de entrada do castelo da alma” (Castelo 1,7)

 Confirma a Sagrada Escritura: “Invoquei e recebi o espírito da Sabedoria” (Sb 7,7).

Sto. Afonso parafraseia com prazer o texto de São Tiago (1,5): “Precisando alguém de sabedoria (entenda: de amor divino) peça a Deus, que costuma dar à mão larga, e dá sem reclamar dos desgostos que lhe temos causado e sem relembrá-los. Esquece toda nossa ingratidão, acolhe-nos e atende-nos”.

Ainda a palavra de teologia (Sto. Tomás): “A oração de súplica não se apóia em nossos méritos, mas tão somente na misericórdia divina” (II II 178, 2,1) Portanto, nós, pobres em santidade, pobres de amor divino, temos recursos, credenciais para a nossa prece.

 

Caminho do Céu

 

Recorda Sto. Afonso: dois pecadores morreram ao lado de Cristo no Calvário. Um deles rezou e salvou-se. O outro não rezou e não se salvou. Sem a graça, nada feito. E a graça só se alcança pedindo, rezando.

E novamente Sto. Afonso, transmitindo sua experiência pastoral: “Sem a oração, segundo a marcha comum da providência, ficam todas as reflexões, resoluções e propósitos sem efeito”.

“A terra que nos carrega. O ar que respiramos, o pão que nos alimenta; o coração que bate no peito, não nos são tão necessários para a vida humana como a oração é necessária para levar uma vida cristã” (São J. Eudes)

O mesmo, em linguagem moderna: o que o motor é para o avião, é a oração para alma em seu vôo para o céu. Se o motor pára a tantos quilômetros, no alto, o avião cai como uma flecha em alguns segundos, no abismo.

Quem não reza cai, perde-se. Seja papa, bispo, sacerdote; seja imperador, mendigo, proletário ou capitalista, homem, mulher ou criança.

Rezar é absoluta necessidade. Como a respiração para a vida corporal, assim, a oração é necessária para a vida espiritual. Quem é privado da respiração, morrerá em pouco tempo. Nada é tão indispensável à vida, quanto o fôlego. A falta de respiração é sinal de morte. Privar a alma da oração é sufocá-la. Nada é tão indispensável à vida espiritual como a oração. Nem por brevíssimo tempo pode ser suspendida. Jesus nos advertiu: “Deveis rezar sempre”.

Antipatia, alergia contra a oração, desleixo da oração, sinais certos que a alma está prestes a morrer. Para perseverar no caminho do bem é necessária a graça de Deus. E em geral, muita graça. Para receber a graça de Deus é necessária a oração, oração assídua. A teologia ensina-o há séculos. Após o batismo, para o homem entrar no céu ainda é necessária a oração assídua” (III 39,5). “O homem santificado pela graça, ainda tem necessidade de pedir a Deus o dom da perseverança” (I II 109, 10). É a doutrina da Igreja antiga. “Deus dá a graça da fé; mas a perseverança é dada só aos que rezam” (Sto. Agostinho)

Diz Sto. Afonso em linguagem ardente: “Todos os condenados perderam-se por não rezar. Se rezassem, não se teriam perdido. Todos os santos fizeram-se santos pela oração. Se não rezassem, nem se teriam salvado”. E a graça de rezar é dada para todos. “Para fazer do homem um santo, observa Pascal, só mesmo a graça de Deus. Quem duvida disto não sabe o que é ser santo e o que é ser homem”.

Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

Anúncios