Honra do Amor

 

O ideal é atingido quando rezar quer dizer: amar.

“Quando o amor de Deus e oração coincidem” (Lekeux).

“A melhor oração é aquela em que há mais amor. Quanto mais se ama a Deus, melhor se reza” (Foucauld). E o melhor método de rezar é ainda aquele do camponês de Ars.

Interrogado sobre o que dizia a Jesus nas longas horas de adoração ao Santíssimo, respondeu: fico olhando para o bom Deus e ele fica olha pra mim. Disse com muita graça o biógrafo de São Francisco de Assis (Celano), “ele não rezava, mas era todo oração”. Essa oração-amor é o ouro entre os materiais de construção da nossa morada celeste, no dizer de 1 Cor 3, 12; tudo o mais é prata, ferro, barro, palha e sapé.

 

Como rezar

 

1. Rezar com o Espírito Santo. Aqui cabe a leitura de São Paulo em Rm 8,26: “O Espírito vem em auxílio de nossa fraqueza, porque não sabemos o que devemos pedir, como convém. O próprio Espírito intercede por nós com gemidos, sem palavras. E Deus que perscruta os corações, sabe o que o Espírito deseja; porque ele intercede pelos santos segundo a vontade de Deus”.

2. Rezar com coragem impertérrita. Rezar é muitas vezes “a hard grinding work”, diz o Pe. Doyle, SJ. Em português: é carregar pedras. Com bom humor expressou-se o santo eremita da Suíça, Nicolau de Flue: “Há dias em que a gente vai à oração como à guerra; outras vezes como ao baile”.

3. Rezar com confiança e perseverança. Como a mulher cananéia que, recusada por Jesus, lhe responde: “Até os cachorrinhos podem comer as migalhas que caem debaixo da mesa de banquete”. E Jesus declarou-se por vencido: “Mulher, grande é a tua fé; tua filha está curada” (Mt 15,28). E lembremo-nos da outra advertência de Jesus, da fé que transplanta montanhas.

 4. Pedir muito. Jesus queixou-se do Ven. Pe. Baltazar dizendo-lhe: Por que és tão comedido em teus pedidos, sabendo tão bem que sou generoso em dar? Não deves pedir pouco e coisas pequenas, mas grandes, importantes e difíceis, porque assenta bem aos poderosos dar grandes presentes”.

Quando uma alma pára de rezar, nós a consideramos como nossa, disse o demônio ao santo milagreiro Pierre Lamy, vigário num subúrbio de Paris, +1931. E em uma outra ocasião: “Cessa de rezar e eu deixarei de te molestar”. Só a vista do terço o deixa furibundo, um complexo ancestral. Nossa Senhora assiste à sua missa, e no memento abundância e superabundância para dar”.Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

5. Não se esqueça de unir-se a Cristo Redentor, nosso mediador perante o trono, como nas preces litúrgicas que terminam com o estribilho: Por Cristo Senhor Nosso. “Jesus, vem! Vamos rezar a dois”.

6. E não se esqueça de pedir tudo em união com Maria Santíssima, medianeira de todas as graças.

7. São Félix de Nola foge dos perseguidores que lhe estão ao encalço. Na pressa, esconde-se no vão de duas casas. Mal se escondeu, uma aranha diligente começou a tecer sua teia na entrada. Minutos depois os esbirros investigam: aqui não entrou, porque teria rasgado essa teia de aranha; avante! Uma coisa tão leve, tão tênue salvou-lhe a vida. Uma figura da oração! Tenha fé no amor de Deus.

 Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

Anúncios