A SÚPLICA

 Alavanca

Sta. Gertrudes de Helfta pergunta a Jesus qual seria a prática mais indicada em memória de sua Paixão. Jesus responde: “Rezar de braços abertos, como eu fiz na cruz”.

Gertrudes: “Mas então, é preciso esconder nos cantos da casa”. Jesus: “Ora, seria um prazer para mim; dá mais intimidade”. Mas acrescentou: “Quem reza assim, sem medo, em público, esse me honra como rei em seu trono”.

Benigna Gojoz gostava de rezar de joelhos e de braços abertos em forma de cruz, sentindo com isso o agrado de Jesus.

Anna Catarina Emmerich atribuía a essa oração de “braços abertos” um grande poder. “Rezando assim, Deus não me recusa nada, porque seu Filho predileto ficou rezando dessa maneira até à morte”.

 

Pai Nosso

Dos quatro modos de oração: adoração, agradecimento, desagravo, súplica ou petição, a oração de súplica é a última na hierarquia das preces. Mas somente é a última quando, por insensatez humana, pedirmos apenas bens temporais e terrestres: saúde, bem-estar, prosperidade.

Quando, na verdade, o fim desta oração – por sinal a única enriquecida por grandiosas promessas de Jesus – são as graças sobrenaturais. Finalidade que o Pai-Nosso põe em primeiro lugar: santificar o nome de Deus, implorar a vinda do Reino, fazer a vontade de Deus com perfeição.

Devemos pedir o que interessa a Jesus: seu Reino, o aumento da graça, a conversão dos pecadores. O resto será dado de acréscimo. A oração é alavanca para transformar o reino da terra no reino do céu.

História Humana

A prece do justo é uma superpotência. “Intelectualmente é difícil crer na força da oração. Mas passemos só uma semana no serviço de Deus e sentiremos seus efeitos…

Experiência, mil vezes repetida, mostra que o Imutável se deixa mudar pela oração. Por meio dela os santos suspenderam até mesmo as leis da natureza”.

“A oração está sempre ao nosso dispor, pronta e rápida como o raio, enérgica e eficaz. No vôo ao céu ela se reúne às preces de Jesus que lá “vive rezando por nós” (Hb 7,25), às intercessões de Maria Santíssima, aos sufrágios de todos os santos e bem-aventurados, às preces ardentes da Igreja militante, como uma grandiosa tempestade de súplicas. Como uma ladainha cantada em altas vozes pela criação inteira. Ela embate no trono de Deus com poder e majestade. E seu eco reboa na terra. Gotas grossas de graças caem sobre o orbe como o orvalho da madrugada, como chuva impetuosa”.

“Será uma das alegrias no céu verificar o poder da oração, alavanca a modificar a história humana, pelo poder dos pequenos… Mil caminhos nos estão abertos para cuidarmos dos interesses de Jesus: dar bons exemplos, pregar, escrever, emprestar bons livros, dialogar afavelmente… todos estes meios são bons. Mas o verdadeiro meio, quase diria, o único meio para obter resultados é a oração”.

“Reza-se pouquíssimo em nossos dias. É triste ver a falta de fé dos homens na oração. Julgam fazer tudo pela própria habilidade. Rezemos e Deus estará do nosso lado.

Rezemos, e os interesses de Jesus prosperarão nesse mundo” (F. W. Faber). Tudo por Jesus.

 

Teologia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

Anúncios