Simplicidade

 

Como o tempo a pessoa enjoa de dizer a Jesus sempre as mesmas palavras, que ele já deve saber de cor e salteado, à força de ouvi-las cada dia. A alma prefere expressar seu afeto com um olhar amoroso para o sacrário, ou para o Crucifixo, ou ao Deus presente no íntimo daalma.

Prefere sentir o amor, sem expressá-lo em palavras.

Simplifica assim sua conversação com Jesus. É a oração de simplicidade, chamada assim por ser uma simplificação proveitosa dos mecanismos psíquicos da meditação e da oração afetiva. A alma prefere contentar-se com o pensamento simples da presença de Deus. Pensamento amoroso, que diz tudo ao Jesus bem-amado.

Daí os outros nomes dessa maneira de rezar: oração de simples olhar, da simples presença de Deus, de simples entrega a Deus (São Francisco de Sales), oração de simplicidade (Bossuet)

Noite

 

Esse afeto amoroso é agora menos impetuoso do que na oração afetiva, mas de fato é mais íntimo e mais forte: mais agradável a Deus. Passam meses, passam anos de fervor e de consolação espirituais

Supondo-se que a alma continue dedicando-se à oração tanto quanto o tempo lhe permite, supondo-se que a alma durante suas ocupações e trabalhos se esforça por manter-se em freqüente contato com a presença de Deus por meio de afetos, atos de amor, comunhão espiritual etc., acontecerá que ela irá sentir durante seus afazeres mais fervor do que durante a oração na capela.

Vai sentir um desejo forte de correr e de rezar a Jesus presente no sacrário, mas chegando lá, se desvanece todo o fervor. É que está chegando o tempo da provação do amor.

 Se é permitido falar assim: Deus faz um teste, privando a alma das consolações sensíveis, externas. Quer ver se a alma é capaz de amar também sem receber em troca as consolações espirituais como comprovante de seu amor por Jesus, e de ser correspondida por Ele.

 Deve a alma viver da fé, da confiança na palavra de Deus. Pouco a pouco a alma sente-se numa grande aridez espiritual. Ou melhor, há um sentimento de vazio, de fastio, de desgosto.

Antes, ela corria com alegria à oração, ao primeiro sinal do sino. Agora, vai por dever. Vai pela fé no amor de Deus. Vai, convicta que Jesus é o mesmo, embora se esconda.

Embora aparentemente não mais se interesse por ela. É o tempo de prova, do amor sem consolo.

Telogia das Realidades Celestes: Padre João Beting CSsR

Anúncios