Crueldade?A justiça vindicativa de Deus afigura-se cruel. Por que exigir compensação, em forma de castigo, de sofrimento inútil? Por que desagravo da justiça, como se Deus Pai precisasse descarregar sua cólera ou seus nervos?…

Antropoformismos contestados pela cruz, pela maior expressão do amor do Pai celeste, pelas suas criaturas na terra.

1. Deus é justo. E não se deixa guiar por ressentimentos, como nós.

2. Cruel é o pecado. Temos uma idéia muito imperfeita, mesquinha do pecado-ofensa a Deus. O pecado tem Deus em conta de nada. Quer suprimi-lo. É praticamente deicídio formal, embora ineficaz.

3. Jesus morreu vítima de dor. Quaisquer que sejam as tão discutidas teorias atuais sobre a redenção, o certo é que Jesus escolheu para si o caminho da dor e da morte. Segundo Hb 12,2, “em lugar do gozo, abraçou a cruz”. E Jesus escolhe o mesmo caminho para as almas convidadas à cooperação redentora. “Se o grão de trigo não morrer e não for enterrado, não produzirá fruto”. É a resposta às ironias cínicas de Nietzsche e ao otimismo beato de Chardin.

“Por que foi preciso que o sofrimento redentor de Cristo fosse tão terrível? Não há outra resposta senão seu amor… Ele quis descer até o fundo de sua tragédia” (Journet). Quis ser “provado em tudo como nós, com exceção do pecado” (Hb 4,15). “Amou-nos e lavou-nos em seu sangue” (Ap 1,5).

 

“Ninguém tem maior amor”.. (Jo 15,13).

“Acredita, minha filha, diz Jesus a Sta. Teresa d’Ávila, os que recebem do meu Pai maiores sofrimentos são os mais queridos. Os sofrimentos são medida do seu amor…Posso mostrar melhor a minha predileção do que escolhendo para ti o que escolhi para mim? Olha estas chagas! Tuas dores nunca chegarão a tanto… É este o caminho da verdade. Assim, me ajudarás a deplorar a perdição em que andam as pessoas do mundo”.

Teologia das Realidades Celestes

Anúncios