Palavras finais

“A ciência do amor é dada à alma que contempla o crucificado… É mister copiar-me. Todos os pintores fazem retratos mais ou menos conformes o original. Mas aqui sou eu o pintor, e faço minha imagem em vós, se ficais olhando para mim… Queria ver todas as minhas esposas transformadas em crucifixos”.

“Minha filha, tenho milhares de almas favoritas. E sou único para cada uma delas. É um segredo de amor que ficará unicamente entre esposo e esposa durante a eternidade”.

“Bom Mestre, o que vais encontrar em meu miserável coração?”

“Encontrarei tudo o que eu coloquei lá dentro; e encontrarei também tuas faltas para destrui-las”.

Tendo visto seu lugar no céu, Marta pergunta: “Bom Mestre, mas não há nada em mim que me impeça de chegar ali?” Jesus: “Ora, se há! Mas o amor apaga tudo”.

Deseja morrer: “Jesus, aqui na terra a gente está sempre exposto a ofender-te”. “Minha filha, o amor apaga tudo.

Quando vindes ter comigo com amor, não reparo mais em vossas faltas. O amor apaga tudo”.

“O amor purifica tudo. Bom Mestre, é só por hoje que estarei purificada?” “Não filha, a alma é purificada toda vez que ela ama com amor forte. Mas deve ser amor verdadeiro, puro e desapegado de tudo”.

“Minha união contigo é teu único bem”.

 2. A SANTA FACE

“Sua face resplandecia como o sol” (Mt 17,2).

“Cuspiram nele, cobriram-lhe o rosto, deram-lhe bofetadas” (Mc 14,65).

“Veremos face a face” (1 Cor 13,12).

Irmã Maria de São Pedro: 1816 – 1848 Nove anos de vida conventual. Morre, aos 32 anos, no Carmelo de Tours. Costureira de Rennes, aborreceu-se de passar a vida fazendo roupas para sustentar vaidades.

Foi recebida no Carmelo de Tours como irmã leiga. Terminando o noviciado, ficou porteira até a morte. Quis ser a empregadinha, ou melhor, o burrinho da Sagrada Família, lastimando que Jesus tivesse tido necessidade de pedir emprestado o burrinho até para a sua procissão de ramos. Mas de agora em diante teria sempre um ao seu dispor. Conta que no noviciado os seus dias eram “uma só peça de oração”: sucesso que tentou manter também na portaria e parece que com sucesso.

Ainda postulante, Jesus vem pedir os serviços do seu burrinho. Mostrou-lhe a multidão de almas que caem no inferno, e pediu-lhe que lhe cedesse, em favor dos pecadores, todos os seus méritos. Em troca, ele mesmo iria ter cuidado dela, e a faria participar dos seus méritos.

 A superiora, porém, não quis dar autorização para esta oblação total; só emprestaria a Jesus o seu burrinho. Mas quatro anos depois, quando a irmã já era professa, concordou em vender o burrinho em troca de terreno e capital para a necessidade de transferência e reconstrução do Carmelo.

Uma vez feito vítima, Jesus encarregou-a de fundar uma arquiconfraria de orantes em desagravo às blasfêmias contra o santo nome de Deus. Fundada com aprovação pontifícia de 1847.

Lúcifer em pessoa, diz-lhe Cristo, guia os blasfemadores; são seus prediletos. As blasfêmias ferem o coração de Jesus como flechas douradas [?] que o ferem com prazer.

Teologia das Realidades Celestes 

2. A SANTA FACE

Anúncios