Medíocres

 

Eternamente medíocres, ocupadas, absorvidas por bagatelas, eis a sina das criaturas terrenas. Carregando nos dois ombros. “Ninguém pode servira dois senhores” (Mt 6,24). Cristo disse-o, nem é necessário prová-lo.

Um conde inglês, do século XVI, católico por convicção, mas protestante na vida pública por oportunismo, para maior segurança da sua salvação eterna, deu às escondidas abrigo a dois sacerdotes em seus dois castelos vizinhos, esperando assim ter à cabeceira, na hora da morte, um sacerdote católico. Morreu porém no caminho, entre os dois castelos.

Nostradamus, figura ambígua para os contemporâneos: profeta de Deus ou do inferno? Foi enterrado, por via das dúvidas, debaixo do muro da Igreja: metade fora, metade dentro…

 

“Se vivemos mais ou menos tranqüilos no meio do mundo, é talvez porque somos tíbios” (De Lubac).

Minimalismo ou maximalismo. “Declaro-vos: se a vossa justiça não for melhor que a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino” (Mt 5,20).

Ambos são minimalistas. Os fariseus, vazios de Deus e cheios de si. Os saduceus, (Anás, Caifás, Herodes…) são os homens do mundo mundano.

 

A Sinagoga contava 613 leis: 248 mandamentos e 365 proibições. O Novo Testamento tem um só: amar a Deus ao máximo e, através de Deus, amar o próximo. E Cristo vencerá o mundo. Suas armas: fogo e espada. Fogo de amor e espada da verdade.

O apóstolo aos fiéis de Cristo: “não vos igualeis com o mundo mau” (Rm 2,2).

 

“Não vos prendais ao mesmo jugo como os infiéis” (2Cor 6,14).

 

O mundo é um grande livro. Cada criatura é uma frase deste livro. Autora e editora: a Santíssima Trindade.

 

Ó homem, lê a mensagem desse livro. Pensamento básico, tema, leitmotive é Jesus Cristo, alfa e ômega da criação e da história humana. Para compreensão cabal do livro, só lendo o último capitulo. Que não foi escrito ainda: O juízo final.

Mas releia o primeiro capitulo: Ele era a luz e a vida. “Mas as trevas o suprimiram” (Jo 1,6). “Tudo foi feito por ele” (Jo 1,3). “Tudo converge nele” (Ef 1,10). Não há outro nome de salvação (Atos 4,12). “Ao seu nome dobrem-se todos os joelhos no céu, na terra e debaixo da terra” (Fl 2,10).

 

Belém

 

Belém é um protesto contra toda a civilização moderna.

 

Inventário: estábulo alugado, uma cachoeira para animais, alguns panos de algodão. Se essa criança tem razão, então toda a nossa cultura do bem-estar é sem sentido, uma aberração. Belém protesta contra a megalomania.

 

Protesta contra o luxo e a sociedade de consumo e do prazer. Protesta contra o poder e a prepotência.

 

Seu programa de governo, publicado no dia do nascimento:

 

“Glória a Deus!” O plano trienal elaborado: sermão da montanha.

 Conseqüência: O nome de Jesus é cuidadosamente evitado nos livros de masscommunication, é tabu, pois onde ele entra, quer ocupar todo o lugar, não só um canto da sala; é totalitário.

Teologia das Realidades Celestes

 

Anúncios