Conclusão

 

“Conclusão: nada fazer, em assuntos espirituais, sem antes consultar a Virgem Maria. Sem pedir-lhe expressamente conselho e auxilio.

Nada fazer na nossa vivência humana, civil, sem consultar previamente, sem recomendar-nos a sua assistência. Assim, estaremos em boas mãos.

 Certos, seguros de acertar a vontade de Deus. Certos de caminharmos ao lado de Deus.

Todas as nossas ações façam-se com Maria, por Maria, em Maria, para Maria. Amamos a Deus, rezamos, sofremos em continua união com a Mãe de Deus.

 

Unamo-nos a Jesus, imitando-o no seu amor pela Virgem, Mãe de Deus, por ser a Imaculada, co-redentora com Cristo, medianeira das graças e nossa Mãe espiritual.

 

Não temais amar demais a Maria Santíssima. Nunca chegareis a amá-la tanto quanto Jesus a ama” (São Maximiliano Kolbe).

 

“A alma de Maria esteja em cada um para exultar em Deus” (Sto. Ambrósio). Subamos ao céu pela escada branca.

 

EPÍLOGO

 

“Eu sou o alfa e o ômega, o primeiro e o último, o princípio e o fim” (Ap 22, 13)

 

“Dele, por Ele, para Ele são todas as coisas”(Rm 11, 36)

 

Juliana de Norwich assim termina seu livro Revelações do amor divino:

“Queres saber o que teu Senhor te quis revelar?

Saibas bem: É o amor que ele tinha em vista.

Quem te revelou tudo Isto? O Amor.

O que ele te mostrou? O Amor.

Por que tem feito isto? Por Amor.

E não descobrirás nunca jamais outra coisa senão o Amor”.

Teologia das Realidades Celestes

Anúncios