Apostolado Cristão

Divisão de trabalho, mas não como a de Maria e
Marta. Senão o apóstolo fica logrado, ficando só com a
casca externa, em prejuízo do apostolado:

“Para que depois de ter pregado aos outros não venha ele mesmo a ser reprovado” (1Cor 9,27).

Em prejuízo ao apostolado,
pois se a vida espiritual do apóstolo fica abaixo de um
nível mínimo, ele se torna opaco à transmissão da graça;
o instrumento vira impedimento.

O apóstolo faça questão de trabalhar full-time. Faça
questão de trazer junto com a graça externa de Deus,
sempre também a graça interna.

O apostolado é a maior e
melhor vocação cristã, a mais alta na escala dos valores.
Mas sob a condição de ser tomado em seu sentido pleno
e total.

O apostolado total, isto é, a conversão a Cristo, é
um processo de graças externas e internas. Graças externas:

o serviço da Palavra em suas variantes formas. As
graças internas condicionam-se à santidade pessoal (amor
de Deus), à oração e ao sofrimento. O apóstolo, leigo
ou sacerdote, não se deve contentar em ser só porta-voz
de Deus, mas também porta-graça.

O apóstolo ofereça, junto com a palavra de Deus,
também a graça de Deus. Com sua mão marcada pela
chaga do Redentor, como Frei Pio. Ou com sua fronte
estigmatizada pela oitava bem-aventurança, como o prodigioso
missionário popular que foi São João Eudes. Seja
seu amor de Deus iluminado, ilimitado, sua oração assídua,
seu sofrer salvífico, de preferência não na cama,
mas no exercício de sua missão.

Para ser sempre porta-graça, o apóstolo deve man576
ter-se sempre bem unido a Cristo, a videira mística. E o
modo mais à mão de manter essa união espiritual é a oração-meditação, que é um misto de reflexão, súplica e
amor.

Quanto tempo de oração? Depende das necessidades
individuais (estou falando num antropomorfismo
terrestre, pois a graça de Deus não está presa a quadros
humanos).

Nos tempos de serviço apertado, supra o exercício da presença de Deus.

Teologia das Realidades Celestes

 

Anúncios