CAPÍTULO XI

Meditação 3ª : DOS BENEFÍCIOS DE DEUS

PREPARAÇÃO.

1. Ponha-se na presença de Deus.

2. Peça-lhe que te ilumine.

CONSIDERAÇÕES.

1. Considere as graças corporais que Deus te concedeu: este corpo, estas facilidades para sustentá-lo, esta saúde, estas satisfações lícitas, estes amigos, estes auxílios.

Mas considere isto, comparando-te com tantas outras pessoas que valem mais que tu, as quais se vêem privadas destes benefícios: umas estão contra-feitas, outras mutiladas, outras carecem de saúde; outras são objeto de opróbrios, de desprezos e de desonra; outras estão abatidas pela pobreza; e Deus não quis que tu fosses tão desgraçada.

2. Considere os dons do espírito: quantas pessoas há, no mundo, imbecis, furiosas, insensatas; e por que não és tu uma delas? Porque Deus te favoreceu. Quantos foram criados grosseiramente e na maior ignorância, e a Providência divina fez que tu fosses educada com urbanidade e com decoro!

3. Considere as graças espirituais: Oh Filotéia!, tu és filha da Igreja; Deus te ensinou a conhecer-lhe, desde tua juventude. Quantas vezes te deu seus sacramentos?

Quantas vezes te ajudou, com inspirações, luzes interiores e repreensões, para tua emenda? Quantas vezes te perdoou tuas faltas?

Quantas vezes te livrou das ocasiões de perder-te, pelo que te havias exposto? E estes anos passados não te ofereceram uma oportunidade e uma facilidade para avançar no bem de tua alma? Examina em seus pormenores, quão suave e generoso foi Deus contigo.

AFETOS E RESOLUÇÕES.

1. Admira a bondade de Deus. Oh! que bom é Deus para comigo! ¡Que bom é! e teu Coração, oh Senhor!, quão rico é em misericórdia e quão generoso em bondade! Cantemos eternamente, oh alma, a multidão de mercês que nos tem outorgado.

2. Admira tua ingratidão. Mas, quem sou eu, oh Senhor!, para que pensastes em mim? Oh, quão grande é minha indignidade! Ah! Eu pisoteei teus benefícios, desonrei tuas graças, convertendo-as em objeto de abuso e de menosprezo de tua soberana bondade; opusestes ao abismo de minha ingratidão o abismo de tua graça e de teu favor.

3. Faça um agradecimento. Acima, pois oh meu coração! ; não queres ser infiel, ingrato e desleal com este grande bem feitor. E como minha alma não estará, de hoje em diante, submetida a Deus, que obrou, em mim e para mim, tantas graças e tantas maravilhas?

4. Ah, por tanto, oh Filotéia!, aparta teu coração de tais e tais prazeres; procura tê-lo sujeito ao serviço de Deus, que tanto fez por ti; dedica tua alma a conhecer-lhe e reconhecer-lhe mais e mais, praticando os exercícios que para isso se requer, e emprega cuidadosamente os auxílios que, para salvar-te e amar a Deus, possui a Igreja.

Sim, frequentarei a oração, os sacramentos; escutarei a divina palavra e ponrei e, prática as inspirações e os conselhos.

CONCLUSÃO.

1. Dai graças a Deus pelo conhecimento que tenha dado de teus deveres e por todos os benefícios que até agora recibestes.

2. Oferece-lhe teu coração com todas tuas resoluções.

3. Peça-lhe que te dê forças, para praticá-las fielmente, pelos méritos da morte de seu Filho: implora a intercessão da Virgem e dos santos.

INTRODUÇÃO À VIDA DEVOTA – São Francisco de Sales

Anúncios