CAPÍTULO XIV

A SANTA MISSA E COMO SE HÁ DE PARTICIPAR

1. Ainda não te falei do sol das práticas espirituais, que é o santíssimo, sagrado e muito excelso sacrifício e sacramento da Missa, centro da religião cristã, coração da devoção, alma da piedade, mistério inefável, que compreende o abismo da caridade divina, e pelo qual Deus, unindo-se realmente a nós, nos comunica magnificamente suas graças e favores.

2. A oração, feita em união deste divino sacrifício, tem uma força indizível, de sorte, Filoteia, que, por ela, a alma abunda em celestiais favores, porque se apoia em seu Amado, o qual a enche tanto de perfumes e suavidades espirituais, que a faz semelhante a uma coluna de fumo de lenha aromática, de mirra, de incenso e de todas as essências olorosas, como se disse no Cântico dos Cânticos.

3. Faz, pois, todos os esforços possíveis, para assistir todos os dias a santa Missa, com o fim de oferecer.. com o sacerdote, o sacrifício de teu Redentor a Deus, seu Pai, por ti e por toda a Igreja. Os anjos, como disse São João Crisóstomo, sempre estão ali presentes, em grande número, para honrar este santo mistério; e nós, juntando-nos a eles e com a mesma intenção, forçosamente temos de receber muitas influências favoráveis desta companhia.

Os coros da Igreja militante, se unem e se juntam com Nosso Senhor, neste divino ato, para cativar n’Ele, com Ele e por Ele, o coração de Deus Pai, e para fazer inteiramente nossa sua misericórdia. Que sorte para a alma aportar devotamente seus afetos em um bem tão precioso e desejável!

4. Se forçosamente obrigada, não podes assistir a celebração deste augusto sacrifício, com uma presença real, é preciso que, ao menos’ leves ali teu coração, para assistir de uma maneira espiritual. A qualquer hora da manhã vá à igreja em espírito, se não podes ir de outra maneira; une tua intenção à de todos os cristãos, e, no lugar onde te encontres, faz os mesmos atos interiores que farias, se estivesses realmente presente à celebração da santa Missa em alguma igreja.

5. Então, para ouvir, real ou mentalmente, a Santa Missa, do jeito que convém:

1.º Desde que chegas, até que o sacerdote tenha subido ao altar, faça a preparação juntamente com ele, a qual consiste em por-te na presença de Deus, em reconhecer tua indignidade e em pedir perdão por teus pecados,

2º Desde que o sacerdote sobe ao altar até o Evangelho, considera a vinda e a vida de Nosso Senhor neste mundo, com uma simples e geral consideração.

3º Desde o Evangelho até depois do Creio, considera a pregação de nosso Salvador, promete querer viver e morrer na fé e na obediência de sua santa palavra e na união da santa Igreja católica.

4º Desde o Creio até o Pai Nosso, aplica teu coração aos mistérios da morte e paixão de nosso Redentor, que estão atual e essencialmente representados neste sacrifício, o qual, juntamente com o sacerdote e o povo, oferecerás a Deus Pai, por sua honra e por tua salvação.

5º Desde o Pai Nosso até a comunhão, esforça-te em fazer brotar de teu coração mil desejos, anelando ardentemente por estar para sempre abraçada e unida a nosso Salvador com um amor eterno.

6º Desde a comunhão até o fim, dê graças à sua divina Majestade por sua paixão e pelo amor que te manifesta neste santo sacrifício, conjurando-lhe por este, que sempre te seja propício, o mesmo a ti que a teus pais, a teus amigos e a toda a Igreja, e, humilhando-te com todo teu coração recebe devotamente a bênção divina que Nosso Senhor te dá por meio do celebrante.

Mas, se, durante a Missa, queres meditar os mistérios que tenhas escolhido para considerar cada dia, não será necessário que te distraias em fazer atos particulares, mas que bastará que, no começo, dirijas tua intenção para querer adorar a Deus e oferecer-lhe este sacrifício pelo exercício de tua meditação ou oração, pois em toda meditação se encontram estes mesmos atos ou expressa, ou tácita ou virtualmente.

INTRODUÇÃO À UMA VIDA DEVOTA – São Francisco de Sales

Anúncios