CAPITULO XVII

COMO SE HÁ DE ESCUTAR E LER A PALAVRA DE DEUS

Seja devota da palavra de Deus. Tanto se a escuta nas conversas familiares com teus amigos espirituais, como se a escuta na homilia, faça-o sempre com atenção e reverência; tira dela proveito, e não permita que caia em terra, mas recebe-a em teu coração, como um bálsamo precioso, à imitação da Santíssima Virgem, que guardava cuidadosamente no seu coração todas as palavras que se diziam em louvor ao seu Filho.

E recorda que Nosso Senhor recolhe as palavras que nós lhe dirigimos em nossas preces, na proporção de como nós recolhemos as que Ele nos disse por meio da pregação.

Tenha sempre perto de ti, algum livro de devoção, como o são os de São Boaventura, Gerson, Dionísio, Cartusiano, Luis de Blois, Granada, Estela, Arias, Pinelli, La Puente, Ávila, o Combate espiritual, as Confissões de Santo Agostinho, as cartas de São Jerônimo, e outros semelhantes; e cada dia leia um fragmento, com grande devoção, como se lesses cartas enviadas a ti pelos santos, desde o céu, para te ensinar o caminho e te animar a chegar a ele.

Leia também as histórias e as vidas dos santos, nas quais, como num espelho, contemplarás a imagem da vida cristã, e ajuste seus atos ao teu aproveitamento, segundo tua profissão de fé.

Porque, ainda que muitos atos dos santos não sejam absolutamente imitáveis pelos que vivem em meio ao mundo, todos, portanto, podem ser seguidos de perto ou de longe.

A solidão de São Paulo, primeiro ermitão, pode ser imitada em teus retiros espirituais ou reais, dos quais falaremos e tratamos mais acima; a extrema pobreza de São Francisco pode ser imitada mediante as práticas de pobreza que indicaremos depois, e assim com as demais virtudes.

É verdade que existem certas histórias que dão mais luz que outras, para a direção de nossa conduta, como a vida de Santa Teresa de Jesus, a qual é admirável neste aspecto; as vidas dos primeiros jesuítas, a de São Carlos Borromeu, arcebispo de Milão; a de São Luís, a de São Bernardo, as Crônicas de São Francisco, e outras semelhantes.

Outras existem, nas quais se encontra mais matéria de admiração que de imitação, como a de Santa Maria Egipcíaca, a de São Simeão Estilita, as das duas santas Catarinas, de Sena e de Gênova, de Santa Águeda, e outras pelo estilo, que não deixam, não obstante, de produzir, em geral, um grato gosto do santo amor de Deus.

INTRODUÇÃO À VIDA DEVOTA – São Francisco de Sales

Anúncios