aleteia.org

Jovem com opção pública em permanecer virgem marca tendência

Muitos pais parecem demasiado dispostos a ignorar o que sucede quando seus filhos começam a ter relações sexuais, escreveu em uma coluna publicada na revista de seu colégio e depois no jornal “The Guardian”

PORTALUZ © Richard Pohle/The Times, via Newscom

 

Os estudantes do Wellington College, na cidade britânica Berkshire, não podiam acreditar no testemunho que Phin Lyman, um de seus companheiros, tinha escrito no The Wellingtonian, a revista do colégio.

Sem preâmbulos, Phin proclama em sua coluna: “Estou bastante seguro de que a maioria das pessoas que me conhecem sabe que sou virgem. Suponho que é uma etiqueta que me puseram durante os últimos anos e realmente não me incomoda muito. No entanto, o fato de que ativamente escolhi permanecer virgem até agora é o que desconcerta e às vezes incomoda algumas pessoas”.

Porém o garoto não ficou só na confirmação pública dos fatos que supunha que todos já conheciam, mas se atreveu a ir contra-corrente e questionar a cultura ‘fast’ do rápido e desejável…

“A antecipação (de minha geração) é grande. Para ser honesto, não posso entender qual é o problema com a espera, porque pensamos que tudo deve ser rápido. Comida rápida, bronzeado rápido, sexo rápido…”

O poder do testemunho

As palavras de Phin Lyman, que terminou seu ciclo escolar em uma das escolas privadas mais prestigiadas do país, traspassaram as paredes de seu colégio e tiveram eco em toda Gran Bretanha através de uma re-publicação de sua coluna no The Guardian.

A jornalista Joanna Moorhead, que trabalha nesse jornal, entrevistou Phin para que lhe explicasse mais a fundo suas ideias. Também ela e sua família receberam o toque ‘pró virgindade e castidade’ do convincente jovem…

“«Que aspecto tem, mamãe?» Foi a pergunta que me fizeram minhas filhas adolescentes quando voltei da entrevista com Phin Lyman, o garoto de 18 anos que está causando furor nos meios de comunicação por se declarar virgem e dizer que está orgulhoso disso. A resposta é que é alto, boa postura, inteligente e seguro. Porque, admitamo-lo, tinha que ser, não?”, ironiza Moorhead.

Phin falou à jornalista que em determinadas oportunidades se apresentaram ocasiões para dar as costas aos seus princípios, mas foi então que adquiriram sentido. Como ele mesmo conta em sua coluna: “Reconheço que pode ser difícil. Em algumas ocasiões duvidei sobre minhas decisões; e fiquei com vontade de subir ao piso de cima com essa garota que conheci em uma festa. Por que não fiz? Bom, a resposta mais simples é que quero ter relações sexuais só com uma mulher em minha vida. Uma que ame e com a qual quero passar toda minha vida”.

A coragem da espera

Com uma clareza admirável, alheia no meio em que vive, está consciente sobre a fixação e influência que os meios de comunicação têm a respeito do sexo. Aposta, disse, que os pais intervenham. Em seu caso, Hannah, sua mãe (uma enfermeira pediátrica especializada) e Rob (reformado do exército e atualmente consultor de negócios na Nova Zelândia) assegura, lhe deram ferramentas para desenvolver sua liderança baseada em valores cristãos.

“Meus pais sempre me falaram sobre o valor da espera”, disse. Em sua opinião, muitos pais parecem demasiado dispostos a ignorar o que acontece com seus filhos quando começam a ter relações sexuais. “Eles simplesmente não querem saber. Digamos que um homem traz uma garota para casa… simplesmente olham para o outro lado. É mais fácil”, agrega.

“Sou um pouco romântico, da veja escola –explica- e parte disto provém provavelmente de meus ideais cristãos. Não obstante, no final se trata de uma firme decisão pessoal; quero reservar-me para uma só pessoa”.

Virgens e castos… em aumento

Desde que seu artigo foi publicado, inusitadamente apareceram nos mais importantes jornais e sua história vai sendo conhecida em todo o mundo. “Recibi cartas e e-mails de todo lugar”, disse. A maioria deles foram de apoio, agrega em seu diálogo com Aleteia.

http://www.aleteia.org/es/estilo-de-vida/contenido-agregado/tiene-18-anos-con-publica-opcion-por-permanecer-virgen-y-casto-marca-tendencia-en-reino-unido-5841504497041408