anciano-poema-1

Hoje em dia em qualquer parte do mundo se pode ver como diariamente são deixados os anciãos em casas de repouso ou também clínicas geriátricas. A história que hoje te mostramos é como este homem que morreu onde residia, deixou algo que mudou a vida das enfermeiras.

Quando estas enfermeiras que só viam um homem como um resmungão, limpavam seu quarto o que ali encontraram simplesmente não puderam evitar as lágrimas. Isto é o que encontraram em seu quarto.

ENTRE OS PERTENCES DO PACIENTE, HAVIAM RECORDAÇÕES DE TODA UMA VIDA, PORÉM TAMBÉM ESTAVA ESTE POEMA:

Poema do Ancião

O que vocês, enfermeiras, o que veem?
O que pensam quando me veem?
Um velho resmungão, não muito certo.
Com hábitos estranhos e um olhar distante.
De quem a comida cai pela comissura dos lábios e nunca responde.
E vocês dizem alto: “Ao menos podia tentar“.
Que parece não se dar conta das coisas que fazem.
E que sempre perde algo. Uma meia ou um sapato?
Que, opondo resistência ou sem opô-la, deixa vocês fazerem.
Que ocupa seus longos dias com o banho ou a comida.
É isso o que pensam? É isso o que veem?
Pois então, abri os olhos, enfemeiras, vocês não me veem.
Eu lhes direi quem sou, agora que estou sentado fazendo o que me dizem e comendo quando me pedem:

SOU UM MENINO DE 10 ANOS, COM PAI E MÃE,

IRMÃOS E IRMÃS, QUE SE QUEREM.

UM GAROTO DE 16 ANOS COM ASAS NOS PÉS,

QUE SONHA EM ENCONTRAR LOGO O AMOR.

UM NOIVO COM 20 ANOS, A QUEM O CORAÇÃO BRINCA.

QUE RECORDA OS VOTOS QUE PROMETEU CUMPRIR.

QUE COM 25 ANOS JÁ TEM SEUS PRÓPRIOS FILHOS,

A QUEM HÁ DE GUIAR E DAR UM SEGURO LAR.

UM HOMEM COM 30 ANOS, CUJOS FILHOS CRESCEM RÁPIDO.

UNIDOS UNS AOS OUTROS COM LAÇOS QUE HÃO DE DURAR.

COM 40 ANOS, MEUS JOVENS FILHOS CRESCERAM E SE FORAM.

PORÉM MINHA MULHER ESTÁ COMIGO PARA VER QUE NÃO ENTRISTEÇO.

COM 50 ANOS VOLTAM A JOGAR BEBÊS EM MEU REGAÇO.

VOLTAMOS A CONHECER CRIANÇAS, MEU AMOR E EU.

DIAS OBSCUROS PARA MIM, MINHA MULHER MORREU.

OLHO O FUTURO E ME ESTREMEÇO.

MEUS FILHOS TÊM SEUS PRÓPRIOS FILHOS.

E PENSO NOS ANOS E NO AMOR QUE CONHECI.

EU SOU AGORA UM VELHO. A NATUREZA É TERRÍVEL.

EU RIO DE MINHA IDADE COMO UM IDIOTA.

MEU CORPO VEM ABAIXO. GRAÇA E FORÇA SE DESPEDEM.

AGORA SÓ RESTA UMA PEDRA, ONDE BATIA UM CORAÇÃO.

PORÉM NESTA VELHA CARCAÇA AINDA VIVE UM HOMEM JOVEM.

E MEU FERIDO CORAÇÃO SE INCHA.

LEMBRO DAS ALEGRIAS, ME LEMBRO DAS PENAS.

E VIVO E AMO, TODOS OS DIAS.

PENSO NOS ANOS, TÃO POUCOS E QUE SE FORAM TÃO RÁPIDO.

ACEITO O FATO DE QUE NADA PODE FICAR.

ASSIM QUE ABRAM OS OLHOS. ABRAM E OLHEM.

NADA DE VELHO RESMUNGÃO.

OLHEM MAIS DE PERTO. VEJAM A MIM!

anciano-poema-2.jpg